quarta-feira, 1 de junho de 2011

euapoioplc122sim


10 Motivos para dizer #euapoioplc122sim

Resposta a Pastor Juliano - @ievlcuritiba

Tive acesso hoje a “10 motivos por que #EuSouContraPL122 escrito por Juliano, pastor evangélico. De tão frágeis seus argumentos, escrevi rapidamente pequenas respostas para cada uma de suas colocações. Em um primeiro momento pensei em nem enviá-los, afinal, tenho certeza, não servirão para ele mesmo. Obviamente Juliano preferirá manter-se em suas ideias fundamentalistas e jamais se submeteria a “aprender” com alguém que pensa diferente de sua doutrina. Mas depois resolvi postar mesmo assim, afinal pode servir para alguém. Em algumas das proposições, acrescentei palavras do Frei Betto e de Dom Maurício de Andrade, Bispo Primaz da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil (quando do reconhecimento do STF às uniões homoafetivas como entidade familiar).

A seguir, cada frase postada por Juliano e meus comentários a respeito delas.


Só tirará seu direito de expressar uma opinião se for uma opinião discriminatória, lembrando que "Deus não faz acepção de pessoas”.
Nas palavras de Dom Maurício de Andrade, “Nosso reconhecimento é feito com base em sólida tradição de defesa da separação entre igreja e estado  (e entre religiões e estado), que não significa a sujeição de um campo ao outro, nem a substituição de um pelo outro, mas a necessária junção da autonomia institucional e legal com a liberdade de expressão e o pluralismo.”

Antes fosse intocável. Você sabe quantos homossexuais são vítimas de violência por conta de sua orientação sexual?
Nas palavras de Frei Betto, “são alarmantes os índices de agressões e assassinatos de homossexuais no Brasil. A urgência de uma lei contra a homofobia não se justifica apenas pela violência física sofrida por travestis, transexuais, lésbicas etc. Mais grave é a violência simbólica, que instaura procedimento social e fomenta a cultura da satanização.”

Se essas leis protegem a todos os cidadãos, por que tantos homossexuais, bissexuais e transexuais até hoje são vítimas de agressões e assassinatos por questões de intolerância, discriminação e preconceito? As leis não especificam os crimes por homofobia.
Nas palavras de Dom Maurício de Andrade, “reconhecemos  que  há  ainda  muito  que  fazer  nesse  campo, pastoral e socialmente, para afirmar a dignidade da pessoa humana e seus direitos.”

Precisamos tanto da conscientização quanto das leis que defendem a população. Não tenho a menor dúvida de que o tipo de instituição do qual você faz parte não conscientiza nem ensina sobre respeito ao próximo. Basta ler um pouco do que vocês escrevem nas redes sociais para perceber isso.

Seu argumento é absolutamente contraditório, já que a homossexualidade faz parte do homossexual, é um dos vários elementos que constituem sua personalidade. Se você é contra a homossexualidade, obviamente é contra o homossexual.
Nas palavras de Dom Maurício de Andrade: “Cremos que a promessa declarada no rito do batismo: “És de Cristo para sempre!” (Livro de Oração Comum pag.  169)  repousa  sobre  todos  nós  e,  portanto, não  nos  cabe  decidir  quem  pertence  ou  não  a Deus.”

Diversos estudos provam que homossexualidade não é uma escolha voluntária, assim como também não é escolha ser heterossexual. As pessoas apenas percebem que o são e decidem como viverão sua vida afetiva e sexual. Pensar que alguém se passou por homossexual para receber um direito é de uma ignorância que beira uma neurose, francamente!
Nas palavras do Frei Betto: “Ninguém escolhe ser homo ou heterossexual. A pessoa nasce assim. E, à luz do Evangelho, a Igreja não tem o direito de encarar ninguém como homo ou hetero, e sim como filho de Deus, chamado à comunhão com Ele e com o próximo, destinatário da graça divina.”

Um homossexual também é filho, é parte de uma família, pode se casar e constituir uma nova família. As famílias já não são mais como a "Sagrada Família", um homem, uma mulher e uma criança. Ganhou inúmeras configurações. O Projeto não vai contra princípios familiares, mas contra princípios discriminatórios típicos de determinadas denominações que se dizem cristãs.

Construam cadeias! Vamos deixar de prender assaltantes por falta de vaga? Vamos soltar assassinos pelo mesmo motivo?

Se alguma parcela da população é discriminada, que sejam criadas leis que as protejam. As leis existem para isso.
Palavras do Frei Betto: “Pecado é aceitar os mecanismos de exclusão e selecionar seres humanos por fatores biológicos, raciais, étnicos ou sexuais. Todos são filhos amados por Deus. Todos têm como vocação essencial amar e ser amados. A lei é feita para a pessoa, insiste Jesus, e não a pessoa para a lei.”

Eu poderia desejar que, “para pagar sua língua”, você tivesse um filho gay. Mas de coração, espero sinceramente que seus filhos não sejam homossexuais, para não sofrerem dentro da própria família o desgosto sem tamanho de ter um pai ignorante como você.

Para terminar, acrescento algumas sábias palavras de Dom Maurício de Andrade: “entendendo que a Igreja é um edifício ainda em construção e que a totalidadede sua membresia só é conhecida pelo próprio Cristo, Senhor da Igreja.

Anderson Tabuh Paz Tavares Correia
Brasileiro, cristão, homossexual e filho de Deus

3 comentários:

Gabrielle disse...

Sábias e bem colocadas palavras, Anderson!

Rachel Costa disse...

Sublime, seria o mais adequados dos elogios, a todos os seus inteligentes comentários.

Mas, eu queria era gritarrrr: "arrasouuuu! vamos tomar uns bons drink?".

:)

Antonio de Albuquerque Machado Filho disse...

Meu amigo Anderson.

Li e gostei. Óbvio que tem muito mais coisas no meio disso tudo. Claro q o direito em não concordar e poder expressar sua não concordância sobre algum assunto inclusive o homossexualismo deve ser assegurado a cada indivíduo. O problema é fazer as pessoas entenderem que expressar a discordância é bem diferente de discriminar! Falo de ambos os lados da corda. Todo o extremo tende ao erro, assim eu penso...